terça-feira, 19 de setembro de 2017

GC- Especial de Aniversário 03

The Spirit- O Filme
 
Já conheço a origem do detetive mascarado criado pelo endeusado Will Eisner (em 1940), faz tempo.
Declarado morto e enterrado com honras, o policial Denny Colt (Gabriel Macht) acorda de um tipo de coma e sai do túmulo. Com o apoio do comissário Dolan (Dan Lauria) e de sua filha Ellen (Sarah Paulson, insossa), surge o defensor de Central City chamado Spirit (Espírito, em inglês).
 
Mesmo com a tecnologia similar usada em Sin City (de Robert Rodriguez), mais um elenco bem variado e tal... virou um menosprezo com toda a inteligência alheia! Isso que Frank Miller (o quadrinhista autor de 300, Batman- O Cavaleiro das Trevas...) prestou-se a escrever, dirigir e alegar inspiração de Eisner. Ainda por cima, cravou suas referências e licenças poéticas: o vilão Octopus (Samuel L. Jackson) é um gritalhão, nazista e cientista louco que quer dominar o mundo? O original nunca mostro o rosto, que eu saiba.
Spirit tem uma agilidade fora do comum e atrai a mulherada com seus feromônios? Quem deixou o doido peidar?
Clones abobados? O tão comentado pé escroto com uma cabeça miúda (um clone deformado)?
Tem caras que alegam valer a pena (de morte cerebral e libidinosa) assistir só pra ver... a bunda da Sand Saref (Eva Mendes)!
Peraí... um filme com pastelão, erotismo... pra rir, chorar ou ficar com raiva? Ah, esquece!
Os extras do DVD valem mais a pena.
Que bom que os atores (e atrizes, pô!) divertiram-se tanto quanto muitos espectadores vieram a ficar enojados. Imagina então, se Miller tivesse filmado algo mais caprichado em matéria de história e menos decorado. E olha só! Ainda por cima, fizeram bonecos (action figures) deste filme bagaceiro! Se até Batman & Robin (1997) já teve...
 
 
 
 
 
2008- Lionsgate/Odd Lot Entertainment

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

GC- Especial de Aniversário 02

(Título original: Wanted)
 
Sabe quando uma adaptação difere radicalmente de sua fonte? Foi o que houve com a minissérie Procurado, de Mark Millar e J.G. Jones, publicada pela Top Cow e por aqui, pela Mythos Editora.
Wesley Gibson (James McAvoy) trabalha num escritório, vive esculachado pela chefa, traído pela namorada e tratado feito um completo b#$*@.
Até o dia em que uma estranha chamada Fox (Angelina Jolie) convida-o pra integrar um grupo de assassinos, do qual o pai dele fazia parte até ser morto.
Wesley é testado a força pelo chefe da Fraternidade, Sloan (Morgan Freeman) e por Fox, pra saber se é um matador especial ao atirar em... moscas! Também passa por treinos e torturas.
 
É o 1º filme americano do diretor russo Timur Bekambetov.
Ficou parecendo uma fusão de Matrix com tiroteios ao estilo John Woo. Já viu balas fazendo curvas que nem num desenho animado? Parece telecinésia!
Até que, mesmo absurdo, é divertido, mas desagrada a quem esperava mais fidelidade ao original. Quadrinho este, que se tratava de vilões que eliminaram quase todos os heróis do mundo.
Não achei pior que a versão recente da Mulher-Gato (2004). 
Quando eu terminar de ler a série original, pretendo contar numa próxima vez (no Hq"Free"Express).
 
2008- Universal Pictures/Top Cow Produtions


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

GC- Especial de Aniversário 01

Foi no dia 16 de setembro passado que criei este blog. Justo o mesmo mês em que faço aniversário.
Por isso, aproveitei pra comemorar tentando suprir a falta de artigos, mesmo sendo os que já mostrei de forma impressa no Hq"Free"Express.
Há 7 anos (abril de 2010), justo na 7ª edição é que reuni um apanhado de... não digo críticas, porque não sou formado em cinema e não sou acadêmico. São só opiniões acumuladas e dedicadas a coluna Cine Traços. Mas resolvi colocar um artigo pra cada postagem durante este mês. E se tiver tempo, talvez eu conte uma história. Ou não!
 
Mas pra começar e em ordem de publicação...
O Incrível Hulk
 
Nos últimos anos, parece moda de estúdios a reinvenção ou renovação imediata de franquias. É o caso deste filme, que não é bem uma continuação de Hulk (2003), realizado por Ang Lee, considerado por muitos, artificial e dramático.
Os créditos iniciais desta versão recontam sua origem, inspirado no antigo seriado sem descartar as hqs do fortão esverdeado.
Com direção de Louis Leterrier, a prioridade foi na ação sem tirar o drama, tendo momentos eletrizantes e cômicos, nada forçados.
O elenco também mudou e foi bem escalado: Edward Norton fazendo Bruce Banner, Liv Tyler interpretando Betty e seu pai, o General Ross, ficou com Willam Hurt... entre os demais.
Stan Lee e Lou Ferrigno (o Hulk da TV) fizeram pontas, de novo.
O verdão digital ficou mais detalhado, sombrio e não lembra um boneco ou um "Shrek que usa peruca".
Há referências a outra criação da Marvel que também teve seu próprio filme.
E teve gravações no Brasil! Bruce foi se esconder na Favela da Rocinha, uma colega sua foi interpretada por Débora Nascimento e o lutador Rickson Gracie esteve na pele de um instrutor.
 
Valeu a locação.
 
2008- Universal Pictures/Marvel Enterprises 

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Quem Fanzina os Fanzineiros?


Versão do artigo publicado no fanzine acima, em dezembro de 2009.
 
Fiz questão de locar o DVD numa segunda-feira.
Praticamente, o diretor Zack Snyder conseguiu (há controvérsias) transpor a série em 12 partes de Alan Moore e Dave Gibbons, mais ou menos como fez com 300 (de Frank Miller). Moore não quis ter seu nome creditado no filme.
 
A história é a mesma da hq, que se passa nos anos 1980. Ela mostra o assassinato do vigilante Comediante (Jeffery Dean Morgan), a origem dos heróis, a paranoia da Guerra Fria, o Doutor Manhattan (Billy Crudup), o investigador Rorschach (Jackie Earle Haley) e os demais elementos de uma forma resumida.
 
Houve mudanças em alguns uniformes e na trama. sendo que foi o filme mais extenso que Batman- O Cavaleiro das Trevas (de Christopher Nolan) ou Superman- O Retorno, mas com censura 18 anos.
Teve gente que achou uma novela, um troço aloprado...
Mas como fui eu quem assistiu e escreveu estas linhas, digo: até que gostei! Bem melhor que The Spirit- O Filme.
São quase 3 horas que não me cansaram.
 
2009- Paramount/Warner/Legendary Pictures

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

3º Artigo Escrito Pubicado no Cine Traços

Versão do artigo originalmente mostrado no zine Hq"Free"Express 05 (julho de 2009).

Assim como o recente O Incrível Hulk, o novo filme do Justiceiro não é exatamente uma continuação. Trata-se de uma nova adaptação.
A história é a seguinte: o ex-militar e policial Frank Castle (Ray Stevenson) caça e elimina mafiosos, com muita brutalidade e exibindo uma estampa de caveira no tórax.
Num de seus novos ataques, ele mata por engano um agente do FBI disfarçado e joga o bandido Billy Russoti (Dominic West) num triturador de vidro.
Sobrevivendo e ficando com o rosto varado, Russoti adota o apelido de Retalho, resolve vingar-se do Justiceiro e da família do agente morto.
Castle vive escondido, passando a ser procurado  tendo seu arsenal fornecido por Linus Lieberman, o Microship (Wayne Knight).

O filme tem muitos tiros, é sangrento, a maior parte do tempo se passa a noite e seus produtores inspiraram-se nas hq's do selo pra adultos Marvel Max.
Pena que o Retalho ficou um tanto caricato, me fazendo lembrar do Duas Caras do filme Batman Eternamente. Fora isso, valeu a pena conferir.
Nos Estados Unidos, teve baixa bilheteria. No Brasil, chegou direto nas locadoras.
A direção é de Lexi Alexander, uma dessas diretoras que realizam filmes de ação e não romances ou comédias.

2008- Lionsgate/Marvel Entertainment

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

2º Artigo da Coluna Cine Traços, de Minha Autoria

Após quase um ano de abandono (que vergonha!), resolvi postar uma adaptação (com algumas adições) do que escrevi e publiquei em agosto de 2008 no zine acima. A capa também fui eu quem fez.
E é justamente sobre a penúltima versão do Homem de Aço da DC Comics pro cinema, que saiu há 11 anos.

Superman- O Retorno

Ausente por 5 anos para encontrar algum vestígio de seu mundo natal, Krypton... Superman (Brandon Routh) volta ao nosso planeta.
Nesse tempo, Lex Luthor (Kevin Spacey) ficou solto com uma nova assistente (Parker Posey), novos capangas e disposto a usar como arma (de novo!) a famigerada Kryptonita.
Lois Lane (Kate Bosworth) teve um filho (?!) com Richard (James Marsden), um sobrinho de Perry White (Frank Langella) e é salva por Superman de um acidente aéreo.
Será que ele ainda tem lugar no coração dela? A Terra ainda precisa de um salvador extraterrestre? Ele conseguirá impedir Luthor de concretizar outra megalomaníaca tramoia?
Não quero ser chato, mas... Só digo que os efeitos visuais superam o próprio enredo.

O filme foi dirigido e produzido por Bryan Singer (X-Men 1 e 2), que por causa disso, deixou de comandar X-Men- O Confronto Final. Se passa depois de Superman II e até reutiliza aquela mesma música-tema de John Williams.

2006- Warner/Legendary Pictures/Peter Entertainment/Bad Hat Harry Produtions

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

O Primeiro Artigo Pra Coluna Cine Traços

Devilman (Debiruman, 2004)

O sociável Akira e o introvertido Ryo são amigos de infância e estudam juntos.
Suas vidas mudam quando o pai cientista de Ryo descobre uma fenda protoplásmica escavada. Uma portal das trevas, na verdade, de onde saem dois espíritos que baixam nos corpos de Akira e Ryo... transformando-os em inimigos: um mestiço de homem e demônio (o Devilman Akira) e um tipo de "anjo perverso" (Ryo).
Então, o mundo endoida com a criação de tropas paranoicas exterminadoras de monstros invasores infernais.

O filme é baseado no mangá criado em 1972 pelo roteirista/desenhista Go Nagai, criador de Mazinger (o 1º robô gigante japonês que não tinha um rosto amigável). Antes dele, Devilman já teve séries de animes pra TV, cinema e vídeo.

Até que tem bons efeitos digitais (alguns, nem tanto) e de maquiagem.
Mas... não gostei do desfecho.

A título de curiosidade... o mangá surgiu no mesmo ano em que a Marvel Comics criou o Motoqueiro Fantasma e o filme saiu no mesmo ano em que lançaram o do Hellboy.
Isso só prova que, apesar da coincidência, temas fantasiosamente religiosos e macabros puderam inspirar a criação de anti-heróis nas Hq's. Não importando onde ou quando.

2004- Devilman Production Comitee ee

Este texto é uma versão "adaptada" do meu comentário (não sou crítico de cinema, só pra relembrar) mostrado no fanzine Hq"Free"Express #02, que saiu em fevereiro de 2008. E foi na coluna Cine Traços, que aborda adaptações de quadrinhos pra filmes.

Uma escolha bizarríssima, justo pro Dia da Criança... né?